Na minha época praticamente todo mundo que começava a estudar ocultismo acabava invariavelmente fazendo parte de algum grupo, existiam deles aos montes, alguns mais sérios outros mais zoeiras, mas sempre havia um grupinho de pessoas se encontrando pra trocar ideias e material com outras pessoas que chegavam. O tempo foi passando e esses grupos estão cada vez mais raros, então como estamos conseguindo bons resultados no OKULT vou listar aqui algumas observações sobre o término dos grupos e por que não existem mais tantas pessoas interessadas em criar novos.

Moda

Quando a internet banda larga começou a invadir os lares das pessoas muitas novas “modas” surgiram, simplesmente pela quantidade imensa de informação que agora tínhamos alcance, era uma enxurrada de livros, contos, casos, vídeos, culturas até então novas pra nós apareciam ali à distância de um clique, com isso a experimentação se tornou comum e pessoas começaram a “sair da caixa” e procurar religiões, cultos e práticas que se adequariam à elas.

Porém assim como qualquer moda ela passou, muito daquilo que se encontrava não era real ou útil, muita coisa foi deturpada e com isso as pessoas desistiam por perceber que tinham apenas perdido tempo, e isso tirava o crédito do contexto em geral.

Arrogância

Assim como muita gente começou a conhecer o mundo oculto por intermédio da rede mundial de computadores algumas pessoas já tinham um vasto conhecimento adquirido por intermédio de livros importados os quais só podiam ser encomendados do exterior ou herdados de alguma forma, pessoas que viajavam pro exterior, principalmente Europa já tinham um contato muito maior com esse tipo de realidade e com isso meio que davam um salto à frente da molecada que estava aprendendo tudo agora.

Isso gerou alguns “ocultistas de raiz” que eram os pré-internet, e tinham adquirido seu conhecimento através de livros e tradição oral familiar e etc. O problema é que a maioria deles era extremamente arrogante e impaciente com os novatos, e mesmo que não possuíssem praticamente conhecimento exclusivo nenhum sempre se escondiam sobre o véu do “não posso te contar isso” pra tentarem manter a pose. O que desanimou muita gente em criar grupos com eles.

Pirações e infantilidades

Obviamente soltar um monte de material mágico na mão de jovens e adolescentes sem preparação nenhuma iria dar merda, e foi o que rolou. Apesar de todos os avisos que os livros davam sobre segurança e etc, muitos não seguiam, talvez por preguiça ou mera irresponsabilidade mesmo, e depois acreditavam ter tudo quanto é tipo de efeito colateral.

A maioria era viagem da cabeça do praticante, uma espécie de culpa sobre ter feito tudo errado, porém tínhamos também os casos de imaturidade que faziam com que o praticante viajasse na maionese totalmente acreditando ser, fazer e ver coisas que não existiam, e coitado de quem tentasse tirar isso dele. Esse tipo de atitude gerou uma má impressão para novos praticantes que tentavam ingressar em grupos e viam um bando de gente pirada achando que era anjo.

Saturação do material

Muita coisa nova é escrita, sabemos disso, mas normalmente são releituras de coisas do tempo do arco da velha… E isso desestimula aqueles que anseiam sempre por coisas novas, a verdade é que muito pouco se escreveu de novo sobre ocultismo de uns 15 anos pra cá. Normalmente materiais muito originais tendem a ser uma enorme perda de tempo, e materiais confiáveis são apenas o mais do mesmo com um adendo aqui outro ali, tornando todo o quadro erroneamente desinteressante, porém isso é um problema que afeta principalmente pessoas que procuram por material apenas em sites “fáceis”, existe muita coisa espalhada por ai que vale a pena conferir e que deixariam muitos de cabelo em pé, mas é um pouco complicado de encontrar… o que nos leva ao último item.

Exclusividade

Muitos ocultistas começaram a não mais compartilhar seus materiais, seja por egoísmo, orgulho ou para evitar constrangimentos ou dores de cabeça. Os motivos podem ser nobres ou não, mas sabemos que hoje em dia se você encontra um material incrível você tende a escondê-lo de geral, e isso obviamente atrapalha a comunidade ocultista.

Você formar um grupo sem ter nenhum desses materiais exclusivos é praticamente dizer pros membros que eles não precisam de você, mas somente do google para tirarem suas dúvidas.

E por que essa matéria, Gigim?

Como supracitado, eu estou formando um grupo virtual no OKULT, muitos já sabem que eu pertenço a um grupo presencial o GOMA, e gostaria de frisar que ambos estão muito bem mesmo após todos esses fatores citados e o tempo ter passado. O próprio portal Atos Negros já passa tranquilamente dos 5 anos, sendo a ideia muito mais antiga, o que prova que ainda dá sim pra grupos existirem e se reunirem.

Seja presencialmente, seja virtualmente, a ideia de comunidade entre os ocultistas sempre foi uma boa jogada, mesmo que possa parecer que você está sozinho nesse mundo pode haver um cara ou uma garota muito parecido (a) com você na casa ao lado. E esse post é basicamente para isso, para incentivar vocês a fazerem como eu, unir esse povo pra que possamos conseguir feitos cada vez mais impressionantes.

Vou parar por aqui galera, um bom fds a todos 🙂